Centro de Referência de Imunológicos Especiais (CRIE) – Orientação

O Programa  Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde (PNI) é um dos programas especializados de eficiência e reconhecimento mundial, uma vez que possibilita o acesso gratuito de todos às vacinas previstas no Calendário Básico da Vacinação da Criança.

Vacina

Na impossibilidade de poder oferecer todas as vacinas comercializadas, em 1993 foram inseridos os CRIE (Centro de Referências de Imunológicos Especiais) com unidades especializadas de Atenção à Saúde do Cidadão, com o objetivo de:

* Facilitar o acesso da população com doenças e condições que podem ter necessidade de vacinas não contempladas no PNI aos imunológicos especiais, para prevenção de doenças.

* Investigar, acompanhar e elucidar os eventos adversos à vacinação.

ATENÇÃO

Cuidados devem ser tomados nos seguintes casos:

Os pais ou responsáveis por crianças devem consultar um pediatra antes de administrar qualquer vacina em uma criança que não tem o controle de vacinas que recebeu;

Crianças e adultos que podem ter necessidade de vacinas especiais disponíveis gratuitamente no CRIE;

Crianças prematuras;

Pessoas portadoras de doenças dermatológicas crônicas graves (doenças graves de pele);

Asma grave em uso de corticoide em altas doses;

Asplenia anatômica ou funcional (crianças sem baço ao nascimento ou retirado cirurgicamente);

Cardiopatias crônicas (doenças do coração);

Coagulopatia (problemas de coagulação do sangue;

Crianças de mãe HIV positivo;

Diabetes mellitus (problemas de índice de açúcar no sangue);

Doenças convulsiva crônica (ataques ou convulsões);

Doenças de depósito (grupo doenças que se caracteriza por acúmulo de determinadas substancias do corpo);

Doadores de órgãos sólidos e medula óssea;

Fibrose  cística ou mucoviscidose (doença genética grave que afeta as glândulas e provoca alterações nos pulmões, pâncreas, fígado e intestino);

Fístula liquórica (vazamento do líquido da espinha);

Implante coclear (cirurgia no ouvido para colocação de implante);

Imunodeficiências (baixa defesa do organismo);

Nefropatias crônicas/síndrome nefrótica dialisados (doenças dos rins/pacientes que fazem diálise);

Neuropatia crônicas (doença da cabeça e dos nervos);

Pneumopatias crônicas (doenças dos pulmões);

Politransfundidos (receptores de  várias transfusões de sangue);

Profissionais de saúde;

Recém nascidos  em situações de risco para o tétano;

Transplantados /doadores de órgãos sólidos ou medula óssea;

Trissomias (pacientes com Síndrome de Down ou com outras síndromes genéticas;

Uso crônico de ácido acetil salicílico;

Vítimas de abuso sexual;

Vítimas de acidentes com material biológico positivo ou fortemente suspeito de infecção pelo vírus de hepatite B.

Em todos os casos referenciados,  é necessária a avaliação da condição do indivíduo por médico que determinará a necessidade de vacinação.

Assim sendo, se a vacina foi receitada, o candidato à vacina deve procurar o médico do Centro de Saúde, ou consultório particular, o médico vai elaborar um pequeno relatório informando a doença com um breve histórico, de posse desse relatório, o indivíduo deve se dirigir ao CRIE mais próximo de sua residência, onde as vacinas indicadas serão aplicadas gratuitamente.

As cidades onde existem postos do CRIE podem ser pesquisadas na Internet com as palavras “CRIE”; “VACINA”, “SAÚDE” e “MUNICÍPIO”.

Se a sua cidade não dispõe de CRIE (Centro de Referencia de Imunológicos Especial), você deverá procurar o Serviço de Saúde Municipal para que as providências necessárias à vacinação sejam realizadas.

Fonte: Manual dos Centros de Referência de Imunológicos Especiais.

Deixe uma resposta